A corrupção em nosso País!

Os cidadãos brasileiros estão revoltados, perplexos e sentindo os efeitos da corrupção que assola nosso País. Todos os dias os meios de comunicação noticiam fatos estarrecedores a respeito de políticos que utilizam como prática o uso de seus mandatos, legitimamente conferidos pelo povo, com o intuito de enriquecer de forma ilícita. Enquanto isso, a população brasileira sofre pela falta de educação, de saúde e de segurança dignas e eficientes.

A Constituição Federal, em seu artigo 6º, elenca de forma expressa entre os direitos sociais: a educação, a saúde e a segurança. No entanto, como todos podemos verificar, e infelizmente não é novidade para ninguém, a Carta Magna não é cumprida. Não adianta existirem direitos sociais previstos em lei se há falta de políticas públicas que os implementem. A impressão que passa para os brasileiros é de que a maioria dos políticos se elegem apenas para atenderem a seus interesses pessoais e partidários. Isso é péssimo, porque gera um descrédito na população em geral em relação aos seus representantes eleitos.

A organização não governamental Transparência Internacional elucida o termo corrupção como sendo: “o abuso de poder confiado para fins privados e pode ser classificada como grande, pequena ou política, dependendo da quantidade de dinheiro perdido e dos setores em que ocorre”. Mas será que existe corrupção fora do meio político? A própria presidente afastada Dilma Roussef, afirmou que a corrupção está em todo lugar. O cientista político Alexandre Gouveia cita atos do cotidiano que se enquadram no conceito de corrupção, tais como: não dar nota fiscal; vender ou comprar produtos falsificados e/ou contrabandeados; não declarar produtos comprados no exterior, evitando o recolhimento de impostos; não declarar rendimentos extras no Imposto de Renda e por aí vai.

Conforme se verifica, combater a corrupção não parece uma tarefa fácil, ainda mais onde está incutido famoso “jeitinho brasileiro”. Então, parece que a solução do problema passa por preceitos morais e éticos que devem ser fomentados no povo desde a infância, promovendo assim uma mudança cultural. Mas, voltando ao tema proposto, ao que parece, a maioria dos políticos não está preocupada com os interesses da sociedade. Vivenciamos uma crise em nosso País nos mais variados setores. O que não podemos olvidar é que os grandes escândalos, envolvendo dinheiro público, o qual é desviado da educação, saúde e segurança, é nosso. Afinal, todos sofremos com a alta carga tributária. Ao comprarmos leite, pão, combustível, passagem de ônibus e demais produtos que consumimos, estamos pagando impostos.

O motivo da revolta da população brasileira é que estas quantias astronômicas que são desviadas dos cofres públicos deveriam ser destinadas para a educação, a saúde, a segurança e outras necessidades básicas do povo. No mês de junho do corrente ano, bandidos roubaram pelo menos 110 computadores da Escola Estadual Aurélio dos Reis, no bairro Jardim Floresta, na Zona Norte de Porto Alegre. A escola estima que o prejuízo perfaz mais de R$ 70 mil. Isso é apenas um dos exemplos que vislumbramos no cotidiano da falta de segurança, em que, quando se encontra, por um milagre, uma escola pública bem equipada, com computadores para o aprimorar o conhecimento dos alunos, perde-se pela falta de investimentos do Poder Público na contratação de policiais para guarnecer o patrimônio público e privado.

O próprio Governo Federal, que sustenta a necessidade de haver novas fontes de financiamento para a saúde, perdeu R$ 2,3 bilhões, no espaço de nove anos, por causa da corrupção. Essas irregularidades foram apuradas pelo TCU, no período entre janeiro de 2002 e 30 de junho de 2011, em procedimentos de investigação, nas denominadas Tomadas de Contas Especiais. O maior número dos casos diz respeito a prefeitos, secretários de Saúde ou proprietários de clínicas e hospitais que efetuam serviços para o Sistema Único de Saúde, que desviam esses valores.

Verifica-se que, infelizmente, a corrupção é prática habitual de pessoas desonestas, tanto no ambiente político quanto social. Pelo menos no meio político, espera-se que todas as investigações ora realizadas sejam eficazes, punindo os culpados, e – o mais importante – que o dinheiro desviado retorne aos cofres públicos com a destinação devida em prol dos cidadãos brasileiros, em educação, saúde, segurança e outros direitos básicos garantidos pela Constituição Federal.

O importante é não perder a esperança, pois dias melhores virão, tendo em vista que, após uma crise, sempre há o poder de reação do povo para advir uma mudança positiva. Quem sabe, surjam políticos honestos, que de fato se preocupem em garantir uma vida mais digna para o povo brasileiro.

artigo casa do concurseiro

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários