(Mais) ideias para reduzir o impacto do consumo

No artigo anterior, abordei a questão do consumo consciente. O consumidor, afinal de contas, é a peça-chave que pode fazer as empresas mudarem sua forma de atuação. Esse tema é complexo e merece uma dezena de artigos, mas minha ideia é provocar a reflexão para que você possa buscar com seus conhecidos, seus aplicativos e sites, ideias legais. Afinal de contas, colaborar com o planeta e ainda fazer uma economia só traz benefícios.

Abaixo, listo alguns exemplos de como podemos ajustar nossa rotina para consumir de maneira mais inteligente.

Trocando mais, descartando menos

O compartilhamento de bens é um exemplo de forma de consumo cujo foco está em utilizar, não acumular. A chamada “economia colaborativa” possibilita que várias pessoas utilizem um mesmo objeto, sem possuí-lo, ou pelo menos não para sempre. Um exemplo é o Pegcar, aplicativo para compartilhar automóveis, que já existe no Brasil, e o Tem Açúcar?, site que avisa seus vizinhos do que você está precisando para ver se alguém pode emprestar o bem. Também existem iniciativas legais de carona solidária e troca de livros. Vale a pena procurar na internet o que tem de novidade por aí.

Não preciso, não pego

Limitar o consumo também é uma maneira de reduzir seu impacto. Evitando a compra de itens supérfluos, compras feitas por impulso e desperdício de alimentos você pode fazer também uma bela economia. Para ajudar, por exemplo, você pode ter apenas um cartão de crédito, usar lista de compras sempre que for ao supermercado e comprar roupas apenas quando tiver certeza de que vai usá-las bastante. Também pode recusar as sacolas oferecidas pelas lojas, aproveitando sua própria sacola ou bolsa para transportar suas compras. Menos é mais!

Doar faz bem

Várias coisas que colocamos no lixo podem ser úteis para outras pessoas. Um exemplo legal de como reutilizar as coisas é o Muro da Gentileza, iniciativa internacional para doar roupas e objetos a pessoas sem teto. Mas você pode procurar na sua cidade instituições de caridade/filantropia que fazem aquilo que já não é útil a você chegar até quem precisa. Em Porto Alegre, por exemplo, existe a Spaan, que cuida de idosos. Eles utilizam itens doados pela comunidade para realizar brechós e conseguir verbas para manter o projeto. Também há os Mensageiros da Caridade, que buscam na sua casa os objetos, móveis e roupas que serão repassados a pessoas pobres.

 Mais vegetais, menos carne

O consumo de carne, especialmente de gado, causa sérios impactos ambientais. Por isso, o projeto internacional “Segunda sem Carne” mobiliza, via internet, milhares de celebridades para alertar sobre o tema. Estima-se que a quantidade de água necessária para produzir 1kg de carne seja até 10 vezes superior ao necessário para se produzir grãos, hortaliças e legumes. Além disso, a criação de gado é responsável por grande parte do desmatamento no planeta, contribuindo para o aquecimento global. Não custa nada colocar mais vegetais no prato, né? Dê preferência aos produtos da época e orgânicos, pois contêm mais vitaminas e minerais e não poluem o ambiente com agrotóxicos.

Como cidadãos, precisamos nos preocupar com o impacto ambiental deste ritmo louco de consumo. Podemos ajustar vários hábitos para fazer a nossa parte. Além de modificar nossas atitudes, podemos cobrar das empresas atitudes responsáveis. Podemos preferir marcas com atitudes socialmente responsáveis. Podemos preferir produtores e empresas menores e ajudar a economia local.

Vale a reflexão.

artigo casa do concurseiro

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários