Redes sociais e atualidades para concursos

Ao longo de alguns anos, uma questão sempre era a mim direcionada pelos alunos: “Professor, qual é a melhor fonte de estudo para Atualidades em concursos públicos?”. Minha resposta era quase sempre a mesma, para fugir de qualquer tipo de compromisso pessoal com fontes de imprensa, revistas, sites, blogs, etc.: “A que você tiver acesso de forma mais fácil.”.

Entretanto, com a massificação das Redes Sociais no Brasil, nos últimos anos, muito do conteúdo de imprensa, revistas, blogs, sites, etc., reverbera por esse universo sem alusão às fontes ou, até mesmo, sem a veracidade de conteúdo. Isso fica mais complicado com algumas páginas que se alimentam de plantar falsas notícias ou anedotas que passam adiante, desapercebidamente, como verdades absolutas.

Então, cabe uma advertência aqui. Aquela postagem que facilmente aparece nas Redes Sociais como notícia pode não ter valor algum como conteúdo de prova de Atualidades! O lugar mais seguro de se manter atualizado é ainda através de jornais e revistas de grande circulação, mesmo que em formato digital através de seus sites e portais oficiais. O ideal é buscar informações em mais de uma fonte para gerar o contraditório e também para perceber a chamada “agenda” de prova. Ou seja, os temas mais relevantes do debate nacional e/ou internacional.

Claro que, como venho ressaltando neste espaço, não basta apenas acumular notícias e informações, mas buscar um “sentido interpretativo” orientado, já que as fontes são apenas a matéria-prima para a interpretação e compreensão da realidade, e não a realidade em si. Portanto, não se deve tomar a fonte como conteúdo acabado, como é uma legislação, um cálculo ou uma regra de português. Deve-se atentar para o fato de que a fonte tem seu crivo ideológico, interpretativo, buscando imprimir uma visão, uma imagem da realidade. Isto pode atrapalhar ao se chocar e/ou ao consolidar suas interpretações pessoais com o possível conteúdo de prova.

Dessa forma, as provas de Atualidades não são o lugar seguro para imprimir “achismos”, “visões de mundo” ou quaisquer opiniões pessoais para quem busca a aprovação. As provas tendem a uma visão de “senso comum” estabelecida pela grande mídia, assim como ao contraditório repercutido nos grandes periódicos físicos ou digitais.

As Redes Sociais podem ser um excelente instrumento de estudo e informação quando utilizadas criteriosamente, buscando o objetivo da aprovação de forma orientada. A tentação é grande em se perder em notícias e especulações sem fim. Ou ainda, ler e reler notícias e sempre restar a mesma pergunta: “E daí? O que isso significa?”. Ou também, aderir ao caminho mais rápido e confortável de encaixar as leituras dentro de uma visão particularista, via de regra, pouco orientada e criteriosa, em busca da aprovação em um concurso público.

artigo-casa-do-concurseiro

0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários